Pesquisar nas cartas

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Consulta, feriado e outras bobeiras

Então, hoje fui a uma consulta com endocrinologista...
Já falei pra vcs que tenho apenas o lado esquerdo da tireóide? Pois bem...
Aos 16 anos tirei uma parte da tireóide por causa de um bócio, provavelmente por falta de iodo na minha alimentação. Nada sério. Mas o caroço estava tão encrustado que não foi possível retirá-lo sem levar um pedaço de mim junto.
Li em alguns lugares que esse órgão é fundamental na manutenção da fertilidade. Embora eu nunca tenha tomado qualquer remédio hormonal para complementar o meu equilíbrio metabólico, achei necessário investigar, mesmo meu antigo médico (isso mesmo, resolvemos procurar ajuda em São Paulo, mas isso é assunto para um outro post) nunca ter solicitado nenhum exame mais aprofundado...
Resolvi, por conta própria ter uma conversa com a endocrinologista da minha mãe. E foi muito bom! Conversamos bastante sobre tudo e, principalmente, sobre a influência da tireóide na infertilidade.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
IPGO - SP
Problemas de tireoide interferem na fertilidade das mulheres

A tireoide é uma glândula em forma de borboleta situada na base frontal do pescoço. De acordo com a Fundação Americana de Tiroide, há cerca de oito milhões de mulheres nos Estados Unidos com distúrbios da tireoide não tratados. Calcula-se que de 4% a 8,5% da população tenham problemas de tireoide sem sintomas aparentes. Nas pacientes inférteis, essa prevalência pode ser ainda maior. Para aquelas em idade reprodutiva, as perturbações menstruais, a infertilidade e o aborto espontâneo podem ser o primeiro sinal de que algo está errado. Entre as várias ameaças que os distúrbios da tireoide provocam, a infertilidade é, indiscutivelmente, o mais fácil de identificar e tratar. Com um pouco de atenção por parte do médico, as mulheres com funcionamento deficiente ou excessivo dessa glândula, podem ter seus problemas corrigidos, evitando a infertilidade e as falhas dos tratamentos de fertilização, obtendo gestações normais e bebês saudáveis.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Após alguns minutos de conversa e exames solicitados, fui embora um pouco mais confiante!

Essa semana foi muito esquisita...
Acho que vocês perceberam. Depois de dois posts terapia, né?!
Eu fiquei meio parada, dei perdido no trabalho na tarde de ontem, apesar de ter sido feriado na segunda! Dia em que eu, teoricamente, daria um jeito na bagunça do meu closet e visitaria minha vó... Em sonho, talvez isso pudesse ter acontecido... Eu acordei quase meio dia e passei a tarde assistindo filmes.
Um, em especial, me perturbou um pouco... Achei que seria um filme lindinho (os atores são os meus queridos Kate and Leo), mas a mocinha do filme morre por causa de um aborto mal sucedido... Jisussssssssss! Fiquei com raiva porque perdi meu tempo com esse filme e ainda fiquei triste com o final infeliz! #filmedeprê
De ontem para hoje não tive paciência e nem concentração para trabalhar.
Agora, estou um pouquinho mais disposta.
O ânimo volta aos poucos, eu não quis me forçar a nada dessa vez.

O que me animou bastante ontem foi ter ido visitar uma amiga que pariu recentemente.
Que criança adorável!
Minhas energias foram renovadas com aquele cheirinho de bebê!

Foi óteeeeeeeeeeeeeemo!

O post foi meio doido, mas tá valendo!
besos
 

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Post Terapia II

Andei lendo aqui e acolá que as grávidas que passam por processo de fertilização in vitro são muito mais apreensivas que as meninas que não precisaram de tal assistência, durante toda a gestação... Será?
Não sei! AINDA não consegui o meu positivo...
E tenho a impressão que terei que começar a tratar disso... Eu tenho um senso de realidade muito grande sobre o meu comportamento em várias situações e penso que quando eu engravidar, poderei ficar assim também... com medo.
Como lidar com isso? Literatura minhas amigas...
Uma pessoa bem informada não passa medo, uma insegurançazinha, no máximo, pra não perder o costume! rs
Digo isso, falando de uma pessoa que não tem alguma patologia associada ao pânico e outras coisas que tem que ser tratadas com um  bom terapeuta.
Conhecer o meu corpo e treinar meus pensamentos... Vivo buscando isso!
O que sentirei na minha gestação, só quando acontecer pra saber...
Não acho que esteja me antecipando, mas quero chegar sã na minha gravidez.
Essa temporada de fivete está sugando quase todo o meu emocional.
Para, abastece, mira e vai!!!

Enquanto você
Se esforça pra ser
Um sujeito normal
E fazer tudo igual...
Eu do meu lado
Aprendendo a ser louco
Maluco total
Na loucura real...
Controlando
A minha maluquez
Misturada
Com minha lucidez...
Vou ficar
Ficar com certeza
Maluco beleza
Eu vou ficar
Ficar com certeza
Maluco beleza...
E esse caminho
Que eu mesmo escolhi
É tão fácil seguir
Por não ter onde ir...
Controlando
A minha maluquez
Misturada
Com minha lucidez
Eeeeeeeeuu!...
Controlando
A minha maluquez
Misturada
Com minha lucidez
Vou ficar
Ficar com certeza
Maluco beleza
Eu vou ficar
Ficar com certeza
Maluco beleza
Eu vou ficar
Ficar com toda certeza
Maluco, maluco beleza...

Raul Seixas (Maluco Beleza)

 

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Post terapia I

E hoje foi dia da consulta que era pra ser uma ecografia gestacional.
Óbvio que chorei depois dela!
De tristeza...
Eu chorei porque o meu médico foi realista, e não me mostrou perspectivas de que da próxima vez, eu farei o tratamento mais esperançosa. Apesar de não ter falado que era inviável...
Eu chorei porque de certa forma, eu esperava que ele me dissesse que vai dar tudo certo e que teremos nossos filhos. Mas como disse marido, ao me ver chorar, ele é médico e não psicólogo!
Eu chorei porque estou precisando de doses cavalares de ânimo e fé! E eu não estou conseguindo!
Pelo menos, por enquanto...
Eu chorei porque eu queria sair de lá feliz...
Eu chorei porque não saí do lugar, aliás, eu saí...


Voltei para o primeiro degrau da escada!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Com palavras

Desde o último post, eu estava assim, sem vontade de voltar aqui... Vocês entendem, não é?!
Mas com o passar do tempo, esse meu velho enxugador de lágrimas, eu sarei as feridas... As cicatrizes ficam aqui e acolá. Embora ainda chore um pouco, tenho levado o tombo de maneira mais leve que da última vez. Talvez pelo fato de já não ser principiante, talvez porque esteja mais forte... Ou tudo junto... O importante é que o sentimento de ser mãe e formar nossa família continua aqui, latente e intacto.

Eu pensei em não escrever o relato da 2ª FIV por causa do resultado negativo. Mas por que não?
Sinto necessidade de fechar esse ciclo. E aqui é o melhor lugar pra isso!
Escreverei tudo, inclusive alguns deslizes que cometi. Marido acha que esses "furos" não comprometeram o resultado do procedimento, mas eu sinto que sim. Pode não haver comprovação científica para isso... Sem ficar me culpando, pretendo fazer diferente da próxima vez.

20/08/2013
Consulta após a 1º FIV negativa. Conversamos sobre o que poderia ter acontecido e o mais provável é que os embriões, que não eram blastocistos e sim mórulas de 3 dias, não conseguiram desenvolver. Analisamos as condições para o próximo procedimento e decidimos fazê-lo já no ciclo seguinte, com um novo protocolo. Desta vez, eu começaria a usar uma medicação (synarel) antes de menstruar para tornar o crescimento dos folículos mais uniforme. No ciclo anterior, uns cresceram demais e outros nem tanto.

1º furo: Esse medicamento, Synarel, foi receitado 2X/dia, de 12 em 12 horas. Cronometrei às 7 da manhã e às 19 horas. Sem esquecer e sem errar o horário, de forma alguma, pontualidade britânica!
Eu esqueci por 3X (no horário noturno) e passei do horário numas 4 situações.
Eu confesso que tenho dificuldade em mudança de hábitos e rotina. E todas as vezes que isso aconteceu, eu passei da hora de tomar o remédio. Pior pra mim!

17/09/2013
Menstruei.
Marquei a 1º ecografia transvaginal para o dia seguinte, embora quase não tenha conseguido horário. Liguei para o meu médico e ele pediu que viesse o mais cedo possível, mesmo sem hora marcada.

18/09/2013
Durante o exame, o Dr. V nos mostra animado 6 folículos em cada ovário, 12 folículos no total. Paciente, marido e médico bem animadinhos, às 8:00 da manhã.
Iniciei a medicação com injeções (Gonal) 1x/dia, sempre entre as 18 e as 20h + Synarel.
Tomei essas medicações logo após as 18 e não cometemos erros nessa fase.

21/09/2013
Nesta segunda ecografia, os folículos estavam crescendo de forma assincrônica. Mais uma ecografia para ver a evolução foi marcada.

23/09/2013
Terceira ecografia, confirmação de 10 folículos aptos para a captação, embora os tamanhos fossem um pouco desiguais. Mais algumas injeções  de Gonal.

26/09/2013
Tomei a injeção de Ovidrel. Essa medicação faz com que o rompimento do folículo com hora marcada, vulgarmente falando. Em 36 horas tem que haver a captação.

28/09/2013
Captação folicular. Foi super tranquilo e em menos de 1 hora eu estava tomando café no quarto com o marido.
Avaliação médica: Foi muito boa! Conseguimos 10 óvulos e marcamos a transferência.
Comecei com a usar Ultrogestan 200mg 3x/dia e Primogyna 3x/dia (8 em 8 horas).

03/10/2013
Transferência: Foi complicada e demorada para acontecer. Já contei isso para vcs!!! Lembram?

O que se seguiu aqui foi mais uma série de furos... Que só depois que pesquisei pela web, a partir de relatos de FIV's positivas, é que me dei conta que não me comportei muito bem...

No dia da transferência, tive repouso quase absoluto. Chegamos em casa por volta do meio dia, almoçamos, marido foi trabalhar e eu dormi a tarde inteira. Ponto para mim!

04/10/2013
Dia da faxina.

2º furo: À medida que minha faxineira limpava a casa, eu mudava de lugar, não fiquei deitada e me movimentei bastante, apesar de ter feito movimento devagar e sem muito esforço. E eu ainda estava no 2D após transferência.
De acordo com a tabela abaixo (http://www.nyufertilitycenter.org/ivf/embryo_transfer), esse era um dia crucial e eu acredito que não deveria ter me movimentado tanto.


05/10/2013
D3 após FIV
3º furo: Cuidados com a alimentação... De acordo com alguns sites de clínicas especializadas, evitar o consumo de café e carboidratos durante o processo de FIV. Esqueci disso, tomei café e comi macarrão, pão e pizza.
4º furo: Fui ao shopping à tarde para almoçar!
Andei durante uns 40 minutos, comi rápido e fui pra casa. No final da tarde dei uma deitadinha e depois vida normal.

Do D4(06/10/2013) ao D11(13/10/2013) eu fiquei meio desconfiada e desanimada do resultado, como contei aqui.

14/10/2013
Eu menstruei. Não teve coágulo e nem cólica. A cor era vermelho vivo e o fluxo contínuo.
Mesmo assim, resolvi continuar com a medicação, até mesmo por orientação médica, até o dia do beta.

17/10/2013
Antes do trabalho, fomos ao laboratório de costume, coletei sangue e fomos trabalhar.
O resultado ficaria pronto após as 15:00. Combinamos de ver juntos e em casa o resultado.
Por incrível que pareça, não fiquei ansiosa e nem nervosa para vê-lo. Estava anestesiada.
Chegamos em casa e marido enrolou para ver o exame na internet... Eu insisti e confirmamos nossas suspeitas... Negativo.

Como disse anteriormente, estou pesquisando bastante sobre FIV de sucesso, e descobri muitas sugestões e dicas. Li muitos fóruns, blogs e sites especializados no assunto, embora não tenha comentado em nenhum deles. Foi bom, foi muito bom saber que posso melhorar e ajudar a natureza durante a caminhada.

Sobre os furos, pode ser que eles tenham pouca influência... Pode? Pode. Mas se eu puder evitar cometer esses vacilos, eu o farei! Vou me comportar. I promise!

Resolvi, também, que a tristeza não me dominaria mais uma vez. Mesmo tenho dificuldades em falar disso e não sentir vontade de chorar. Mas eu resolvi não me entregar. Não é do meu feitio fazer isso! Eu prefiro ser otimista e crer na próxima vitoriosa oportunidade!!!

Marido está bem pra baixo, desanimado. Ele que sempre foi positivo e confiante.
No momento, a minha prioridade é confortá-lo e mostrar-lhe outras perspectivas.

Ainda não me dei por vencida e espero o tempo que for!

Terei meus filhos! Certeza!!!

E vcs! Queridas! Muito amadas! Quanto carinho!

Bjo

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Resultado

Negativo.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Vazio imenso.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

A última que morre

Sabe aqueles dias que você não consegue concentrar em nada?!
Apenas um pensamento povoa a minha mente...
O que falta eu fazer para conseguir a tão sonhada gravidez?

Eu parei de escrever aqui durante o tratamento inteiro. Eu precisava desse tempo.
Na verdade, eu queria mesmo era voltar aqui cantando vitória, feliz da vida, animada e deslumbrada com o meu positivo. Não deu! Pelo menos por enquanto!

Não, eu ainda não fiz o beta. But, eu estou sangrando desde o D4.

Eu vou pular a parte do tratamento porque quero falar sobre ele e tantas outras situações tristes que aconteceram ao mesmo tempo, apenas quando sair o resultado do beta, na próxima sexta-feira, dia 18/10/2013.

No dia da transferência (03/10/2013), diferentemente da primeira FIV, eu estava mega nervosa e com a bexiga estourando...
O procedimento estava marcado para as 9:45h mas só aconteceu 11:30h.
Isso me deixou mais nervosa ainda. Tive que fazer pipi, tomar 2 copos de água e aguardar mais alguns minutos.
Motivo do atraso: uma paciente chegou lá sangrando muito, após um beta positivo.
Não pude reclamar... Realmente, era urgente e necessária a minha espera.

Foi bem rápido e indolor. A médica (que substituiu o meu Dr.) foi uma fofa e me acalmou muito antes e depois da transferência.

Fomos para casa felizes e fazendo planos para a nova vida.

Ficamos assim até o D4, no domingo, quando eu senti as primeiras vibrações (aquelas que falei aqui) de várias que sinto até hoje. Na hora, fiquei quieta e quase sem respirar pra ver se era isso mesmo... E era! Pode ser uma sensação estranha e impossível para algumas pessoas, inclusive marido e médico. Mas eu sinto.

Na terça, D6, meu médico ligou para perguntar como tinha sido a transferência, como eu estava e falar sobre os embriões. Outro balde de água fria... Apenas 1 dos 2 transferidos, estava em condições boas. Nossa chance era inferior do que havíamos imaginado.
Mas não era zero, disse ele.

Desliguei o telefone e aconteceu o primeiro choro da semana.

Na sexta, D9, começou a sair uma borra marrom bem escura. Até fiquei animadinha, achando que era a nidação.

Bem, estávamos sozinhas até hoje de manhã, quando se juntou a nós um líquido rosado, ora vermelho fraco ora amarelado.

Fiquei me perguntando no banheiro do trabalho:

Não terei chance, novamente, de fazer um beta com esperança?