Pesquisar nas cartas

segunda-feira, 4 de maio de 2015

O dia que eu queria que fosse meu também.

Começou a semana que eu mais queria passar pertecendo a outra categoria... Começou a semana das flores, do cor-de-rosa, das declarações de amor, dos pequenos abraços acolhedores...
Já tem uns 5 anos que o coraçãozinho fica bem pequeninhinho, apertado, quase choroso.

Eu queria vir aqui e falar de coisas felizes nesse dia tão lindo, até porque tem muito tempo que não passo essa data com minha mãe amada e esse ano meus pais estão passando uns dias conosco.
Fico feliz e agradecida a Deus por isso, mas não consigo me alegrar completamente...

É a única data na qual bate esse desespero de não saber quando terei a graça de ser um dia meu também. Nem mesmo no Natal ou no meu aniversário eu fico tão deprê... Não tenho controle sobre isso, sei que deveria ter e pensar outras coisas...
Mas é mais forte que eu!

Teve um ano que meu maridone me deu um buquê de flores na tentativa de me ver sorrir... caí no choro! Eu não queria um consolo, eu queria outra realidade. Não fiquei magoada, fiquei triste por demonstrar tanto o meu descontentamento a ponto de maridone achar que um presente tiraria essa dor do peito.

Não tenho por hábito ser dramática ou ficar de mimimi... Não sei o que acontece, mas esse ano estou bem mais sensível!
Sei que é um dia mais comercial do que sentimental... No entanto, tem uma simbologia muito forte pra mim.
Nesse dia eu lembro, com muito mais força, que ainda não sou mãe.