Pesquisar nas cartas

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

João

Tanta coisa a dizer mas tudo ainda meio desorganizado nas ideias.
Estou levando a vida do lado de cá, com um pouco mais de paciência e menos ansiedade. Tenho aprendido que o tempo é eficaz se você o trata do jeito que ele se apresenta.

Por incrível que pareça, até me assusto quando lembro disso, a maternidade está sem pressa na minha vida. E não é fuga minha, não. É uma constatação que faço agora... Tenho perdido menos tempo pensando o que fazer agora e deixado mais nas mãos de Deus que seja feita a vontade Dele.

Tem dado certo. Estou mais tranquila, ainda lembro com uma saudade imensa do filho que estaria preenchendo o meu ventre. Sim, filho. Era um menino! O resultado do exame pós-aborto saiu tem mais de 1 mês. Quem habitou meu ser por 3 meses foi o nosso João.

Choramos muito quando saiu esse resultado. Personificou aquele pingo de gente dentro de mim e o transformou num sonho que Deus permitiu acontecer.
Nosso anjo de luz.

A passagem do João (eu e maridone nos referimos assim ao falarmos dele, pelo nome que seria seu) foi tão rápida que nem mesmo conhecemos o seu rosto, tão pouco o seu sorriso. Mas ele foi um grande mestre! Tanto nos ensinou e nos mostrou, que jamais será esquecido. Ele vive em nossos corações e a lembrança do som do seu coração, em um aparelho de ultrassom, estará para sempre em nossas mentes.

Agradeço tanto a Deus por nos ter presenteado com tamanho milagre, apesar da obra não ter sido completa, do ponto de vista da sua continuidade. Mas do ponto de vista da fé de que posso engravidar, consigo gestar...Esta foi total e verdadeira.

A causa do aborto foi genética. João tinha uma cardiopatia severa e incompatível com a vida.

Penso que ele veio para abrir as portas para os irmãos.

O sonho não acabou, ele está sendo construído com nova esperança.

Já conversamos com Deus, quando Ele quiser, estou pronta!